23 de mar de 2010

A MAIOR REDE DE PEDOFILIA DO MUNDO

A carta que o Papa enviou aos católicos irlandeses é uma demonstração de “coragem”, considera o padre Manuel Morujão, porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP).


Os bispos portugueses entendem que assunto não incomoda a Igreja católica.



O Papa condenou "os graves erros de julgamento" do episcopado irlandês, acusado de ter encoberto centenas de casos de pedofilia cometidos durante várias décadas.


Observatore Romano.

Os bispos portugueses, que se reúnem em Abril, por altura da assembleia plenária da CEP, poderão reflectir "sobre a carta do santo padre e em geral as linhas que a lei promove, como sejam o clarificar a verdade, o fazer a justiça às vítimas, o reforço da prevenção e o colaborar construtivamente com as autoridades", disse Manuel Morujão, apesar de na agenda, enviada há uma semana, não constar o tema.

"Os senhores bispos têm toda a liberdade de reflectir sobre este assunto, e o que foi concluído com o presidente e o senhor presidente da Conferência é que seria levado a uma das próximas reuniões, não a dizer que era a reunião de Abril", esclareceu no final da reunião do Grupo de Reflexão Pastoral da CEP, em Fátima.

A CEP "nunca" tratou de questões relacionadas com pedofilia no último ano e meio, "nem dossier, nem sequer uma simples carta", diz Manuel Morujão, sublinhando tratar-se de um assunto novo para a Igreja Católica portuguesa.

Na carta enviada lida aos fiéis irlandeses no passado domingo, Bento XVI exprimiu "vergonha" e "remorso" de toda a Igreja face ao escândalo de pedofilia no clero daquele país e anunciou iniciativas para promover "a cicatrização e a renovação".

Disposto a encontrar-se com as vítimas dos abusos cometidos por padres, Bento XVI sustenta que os sacerdotes culpados de actos de pedofilia deverão responder perante Deus e a Justiça dos homens.

O Sumo Pontífice anunciou uma "visita apostólica", que consiste numa investigação desenvolvida "em várias dioceses da Irlanda", assim como em "seminários e congregações religiosas", para orientar na renovação da Igreja.

\/
A " CARTA" DA FINAL ...

\/



PASTORAL LETTER

OF THE HOLY FATHER

POPE BENEDICT XVI

TO THE CATHOLICS OF IRELAND

1. Dear Brothers and Sisters of the Church in Ireland, it is with great concern that I write to you as Pastor of the universal Church.

Like yourselves, I have been deeply disturbed by the information which has come to light regarding the abuse of children and vulnerable young people by members of the Church in Ireland, particularly by priests and religious.

I can only share in the dismay and the sense of betrayal that so many of you have experienced on learning of these sinful and criminal acts and the way Church authorities in Ireland dealt with them.

As you know, I recently invited the Irish bishops to a meeting here in Rome to give an account of their handling of these matters in the past and to outline the steps they have taken to respond to this grave situation.

Together with senior officials of the Roman Curia, I listened to what they had to say, both individually and as a group, as they offered an analysis of mistakes made and lessons learned, and a description of the programmes and protocols now in place.

Our discussions were frank and constructive.

I am confident that, as a result, the bishops will now be in a stronger position to carry forward the work of repairing past injustices and confronting the broader issues associated with the abuse of minors in a way consonant with the demands of justice and the teachings of the Gospel.

2. For my part, considering the gravity of these offences, and the often inadequate response to them on the part of the ecclesiastical authorities in your country, I have decided to write this Pastoral Letter to express my closeness to you and to propose a path of healing, renewal and reparation.

It is true, as many in your country have pointed out, that the problem of child abuse is peculiar neither to Ireland nor to the Church.

Nevertheless, the task you now face is to address the problem of abuse that has occurred within the Irish Catholic community, and to do so with courage and determination.

No one imagines that this painful situation will be resolved swiftly.

Real progress has been made, yet much more remains to be done.

Perseverance and prayer are needed, with great trust in the healing power of God’s grace.

At the same time, I must also express my conviction that, in order to recover from this grievous wound, the Church in Ireland must first acknowledge before the Lord and before others the serious sins committed against defenceless children.

Such an acknowledgement, accompanied by sincere sorrow for the damage caused to these victims and their families, must lead to a concerted effort to ensure the protection of children from similar crimes in the future.

As you take up the challenges of this hour, I ask you to remember “the rock from which you were hewn” (Is 51:1).

Reflect upon the generous, often heroic, contributions made by past generations of Irish men and women to the Church and to humanity as a whole, and let this provide the impetus for honest self-examination and a committed programme of ecclesial and individual renewal.

It is my prayer that, assisted by the intercession of her many saints and purified through penance, the Church in Ireland will overcome the present crisis and become once more a convincing witness to the truth and the goodness of Almighty God, made manifest in his Son Jesus Christ.

3. Historically, the Catholics of Ireland have proved an enormous force for good at home and abroad.

Celtic monks like Saint Columbanus spread the Gospel in Western Europe and laid the foundations of medieval monastic culture.

The ideals of holiness, charity and transcendent wisdom born of the Christian faith found expression in the building of churches and monasteries and the establishment of schools, libraries and hospitals, all of which helped to consolidate the spiritual identity of Europe.

Those Irish missionaries drew their strength and inspiration from the firm faith, strong leadership and upright morals of the Church in their native land.

From the sixteenth century on, Catholics in Ireland endured a long period of persecution, during which they struggled to keep the flame of faith alive in dangerous and difficult circumstances.

Saint Oliver Plunkett, the martyred Archbishop of Armagh, is the most famous example of a host of courageous sons and daughters of Ireland who were willing to lay down their lives out of fidelity to the Gospel.

After Catholic Emancipation, the Church was free to grow once more. Families and countless individuals who had preserved the faith in times of trial became the catalyst for the great resurgence of Irish Catholicism in the nineteenth century.

The Church provided education, especially for the poor, and this was to make a major contribution to Irish society.

Among the fruits of the new Catholic schools was a rise in vocations: generations of missionary priests, sisters and brothers left their homeland to serve in every continent, especially in the English-speaking world.

They were remarkable not only for their great numbers, but for the strength of their faith and the steadfastness of their pastoral commitment.

Many dioceses, especially in Africa, America and Australia, benefited from the presence of Irish clergy and religious who preached the Gospel and established parishes, schools and universities, clinics and hospitals that served both Catholics and the community at large, with particular attention to the needs of the poor.

In almost every family in Ireland, there has been someone – a son or a daughter, an aunt or an uncle – who has given his or her life to the Church. Irish families rightly esteem and cherish their loved ones who have dedicated their lives to Christ, sharing the gift of faith with others, and putting that faith into action in loving service of God and neighbour.

4. In recent decades, however, the Church in your country has had to confront new and serious challenges to the faith arising from the rapid transformation and secularization of Irish society.

Fast-paced social change has occurred, often adversely affecting people’s traditional adherence to Catholic teaching and values.

All too often, the sacramental and devotional practices that sustain faith and enable it to grow, such as frequent confession, daily prayer and annual retreats, were neglected.

Significant too was the tendency during this period, also on the part of priests and religious, to adopt ways of thinking and assessing secular realities without sufficient reference to the Gospel.

The programme of renewal proposed by the Second Vatican Council was sometimes misinterpreted and indeed, in the light of the profound social changes that were taking place, it was far from easy to know how best to implement it.

In particular, there was a well-intentioned but misguided tendency to avoid penal approaches to canonically irregular situations.

It is in this overall context that we must try to understand the disturbing problem of child sexual abuse, which has contributed in no small measure to the weakening of faith and the loss of respect for the Church and her teachings.

Only by examining carefully the many elements that gave rise to the present crisis can a clear-sighted diagnosis of its causes be undertaken and effective remedies be found.

Certainly, among the contributing factors we can include: inadequate procedures for determining the suitability of candidates for the priesthood and the religious life; insufficient human, moral, intellectual and spiritual formation in seminaries and novitiates; a tendency in society to favour the clergy and other authority figures; and a misplaced concern for the reputation of the Church and the avoidance of scandal, resulting in failure to apply existing canonical penalties and to safeguard the dignity of every person.

Urgent action is needed to address these factors, which have had such tragic consequences in the lives of victims and their families, and have obscured the light of the Gospel to a degree that not even centuries of persecution succeeded in doing.

5. On several occasions since my election to the See of Peter, I have met with victims of sexual abuse, as indeed I am ready to do in the future. I have sat with them, I have listened to their stories, I have acknowledged their suffering, and I have prayed with them and for them.

Earlier in my pontificate, in my concern to address this matter, I asked the bishops of Ireland, “to establish the truth of what happened in the past, to take whatever steps are necessary to prevent it from occurring again, to ensure that the principles of justice are fully respected, and above all, to bring healing to the victims and to all those affected by these egregious crimes” (Address to the Bishops of Ireland, 28 October 2006).

With this Letter, I wish to exhort all of you, as God’s people in Ireland, to reflect on the wounds inflicted on Christ’s body, the sometimes painful remedies needed to bind and heal them, and the need for unity, charity and mutual support in the long-term process of restoration and ecclesial renewal. I now turn to you with words that come from my heart, and I wish to speak to each of you individually and to all of you as brothers and sisters in the Lord.

6. To the victims of abuse and their families

You have suffered grievously and I am truly sorry. I know that nothing can undo the wrong you have endured. Your trust has been betrayed and your dignity has been violated.

Many of you found that, when you were courageous enough to speak of what happened to you, no one would listen.

Those of you who were abused in residential institutions must have felt that there was no escape from your sufferings. It is understandable that you find it hard to forgive or be reconciled with the Church.

In her name, I openly express the shame and remorse that we all feel.

At the same time, I ask you not to lose hope. It is in the communion of the Church that we encounter the person of Jesus Christ, who was himself a victim of injustice and sin.

Like you, he still bears the wounds of his own unjust suffering. He understands the depths of your pain and its enduring effect upon your lives and your relationships, including your relationship with the Church.

I know some of you find it difficult even to enter the doors of a church after all that has occurred.

Yet Christ’s own wounds, transformed by his redemptive sufferings, are the very means by which the power of evil is broken and we are reborn to life and hope. I believe deeply in the healing power of his self-sacrificing love – even in the darkest and most hopeless situations – to bring liberation and the promise of a new beginning.

Speaking to you as a pastor concerned for the good of all God’s children, I humbly ask you to consider what I have said.

I pray that, by drawing nearer to Christ and by participating in the life of his Church – a Church purified by penance and renewed in pastoral charity – you will come to rediscover Christ’s infinite love for each one of you. I am confident that in this way you will be able to find reconciliation, deep inner healing and peace.

7. To priests and religious who have abused children

You betrayed the trust that was placed in you by innocent young people and their parents, and you must answer for it before Almighty God and before properly constituted tribunals.

You have forfeited the esteem of the people of Ireland and brought shame and dishonour upon your confreres.

Those of you who are priests violated the sanctity of the sacrament of Holy Orders in which Christ makes himself present in us and in our actions. Together with the immense harm done to victims, great damage has been done to the Church and to the public perception of the priesthood and religious life.

I urge you to examine your conscience, take responsibility for the sins you have committed, and humbly express your sorrow.

Sincere repentance opens the door to God’s forgiveness and the grace of true amendment.

y offering prayers and penances for those you have wronged, you should seek to atone personally for your actions.

Christ’s redeeming sacrifice has the power to forgive even the gravest of sins, and to bring forth good from even the most terrible evil.

At the same time, God’s justice summons us to give an account of our actions and to conceal nothing. Openly acknowledge your guilt, submit yourselves to the demands of justice, but do not despair of God’s mercy.

8. To parents

You have been deeply shocked to learn of the terrible things that took place in what ought to be the safest and most secure environment of all.

In today’s world it is not easy to build a home and to bring up children.

They deserve to grow up in security, loved and cherished, with a strong sense of their identity and worth.

They have a right to be educated in authentic moral values rooted in the dignity of the human person, to be inspired by the truth of our Catholic faith and to learn ways of behaving and acting that lead to healthy self-esteem and lasting happiness.

This noble but demanding task is entrusted in the first place to you, their parents.

I urge you to play your part in ensuring the best possible care of children, both at home and in society as a whole, while the Church, for her part, continues to implement the measures adopted in recent years to protect young people in parish and school environments.

As you carry out your vital responsibilities, be assured that I remain close to you and I offer you the support of my prayers.

9. To the children and young people of Ireland

I wish to offer you a particular word of encouragement.

Your experience of the Church is very different from that of your parents and grandparents.

The world has changed greatly since they were your age.

Yet all people, in every generation, are called to travel the same path through life, whatever their circumstances may be.

We are all scandalized by the sins and failures of some of the Church's members, particularly those who were chosen especially to guide and serve young people.

But it is in the Church that you will find Jesus Christ, who is the same yesterday, today and for ever (cf. Heb 13:8). He loves you and he has offered himself on the cross for you.

Seek a personal relationship with him within the communion of his Church, for he will never betray your trust! He alone can satisfy your deepest longings and give your lives their fullest meaning by directing them to the service of others.

Keep your eyes fixed on Jesus and his goodness, and shelter the flame of faith in your heart.

Together with your fellow Catholics in Ireland, I look to you to be faithful disciples of our Lord and to bring your much-needed enthusiasm and idealism to the rebuilding and renewal of our beloved Church.

10. To the priests and religious of Ireland

All of us are suffering as a result of the sins of our confreres who betrayed a sacred trust or failed to deal justly and responsibly with allegations of abuse. In view of the outrage and indignation which this has provoked, not only among the lay faithful but among yourselves and your religious communities, many of you feel personally discouraged, even abandoned.

I am also aware that in some people’s eyes you are tainted by association, and viewed as if you were somehow responsible for the misdeeds of others.

At this painful time, I want to acknowledge the dedication of your priestly and religious lives and apostolates, and I invite you to reaffirm your faith in Christ, your love of his Church and your confidence in the Gospel's promise of redemption, forgiveness and interior renewal. In this way, you will demonstrate for all to see that where sin abounds, grace abounds all the more (cf. Rom 5:20).

I know that many of you are disappointed, bewildered and angered by the way these matters have been handled by some of your superiors.

Yet, it is essential that you cooperate closely with those in authority and help to ensure that the measures adopted to respond to the crisis will be truly evangelical, just and effective.

Above all, I urge you to become ever more clearly men and women of prayer, courageously following the path of conversion, purification and reconciliation.

In this way, the Church in Ireland will draw new life and vitality from your witness to the Lord's redeeming power made visible in your lives.

11. To my brother bishops

It cannot be denied that some of you and your predecessors failed, at times grievously, to apply the long-established norms of canon law to the crime of child abuse.

Serious mistakes were made in responding to allegations.

I recognize how difficult it was to grasp the extent and complexity of the problem, to obtain reliable information and to make the right decisions in the light of conflicting expert advice.

Nevertheless, it must be admitted that grave errors of judgement were made and failures of leadership occurred. All this has seriously undermined your credibility and effectiveness.

I appreciate the efforts you have made to remedy past mistakes and to guarantee that they do not happen again.

Besides fully implementing the norms of canon law in addressing cases of child abuse, continue to cooperate with the civil authorities in their area of competence. Clearly, religious superiors should do likewise.

They too have taken part in recent discussions here in Rome with a view to establishing a clear and consistent approach to these matters. It is imperative that the child safety norms of the Church in Ireland be continually revised and updated and that they be applied fully and impartially in conformity with canon law.

Only decisive action carried out with complete honesty and transparency will restore the respect and good will of the Irish people towards the Church to which we have consecrated our lives.

This must arise, first and foremost, from your own self-examination, inner purification and spiritual renewal.

The Irish people rightly expect you to be men of God, to be holy, to live simply, to pursue personal conversion daily.

For them, in the words of Saint Augustine, you are a bishop; yet with them you are called to be a follower of Christ (cf. Sermon 340, 1).

I therefore exhort you to renew your sense of accountability before God, to grow in solidarity with your people and to deepen your pastoral concern for all the members of your flock.

In particular, I ask you to be attentive to the spiritual and moral lives of each one of your priests.

Set them an example by your own lives, be close to them, listen to their concerns, offer them encouragement at this difficult time and stir up the flame of their love for Christ and their commitment to the service of their brothers and sisters.

The lay faithful, too, should be encouraged to play their proper part in the life of the Church.

See that they are formed in such a way that they can offer an articulate and convincing account of the Gospel in the midst of modern society (cf. 1 Pet 3:15) and cooperate more fully in the Church’s life and mission.

This in turn will help you once again become credible leaders and witnesses to the redeeming truth of Christ.

12. To all the faithful of Ireland

A young person’s experience of the Church should always bear fruit in a personal and life-giving encounter with Jesus Christ within a loving, nourishing community.

In this environment, young people should be encouraged to grow to their full human and spiritual stature, to aspire to high ideals of holiness, charity and truth, and to draw inspiration from the riches of a great religious and cultural tradition.

In our increasingly secularized society, where even we Christians often find it difficult to speak of the transcendent dimension of our existence, we need to find new ways to pass on to young people the beauty and richness of friendship with Jesus Christ in the communion of his Church.

In confronting the present crisis, measures to deal justly with individual crimes are essential, yet on their own they are not enough: a new vision is needed, to inspire present and future generations to treasure the gift of our common faith.

By treading the path marked out by the Gospel, by observing the commandments and by conforming your lives ever more closely to the figure of Jesus Christ, you will surely experience the profound renewal that is so urgently needed at this time. I invite you all to persevere along this path.

13. Dear brothers and sisters in Christ, it is out of deep concern for all of you at this painful time in which the fragility of the human condition has been so starkly revealed that I have wished to offer these words of encouragement and support.

I hope that you will receive them as a sign of my spiritual closeness and my confidence in your ability to respond to the challenges of the present hour by drawing renewed inspiration and strength from Ireland’s noble traditions of fidelity to the Gospel, perseverance in the faith and steadfastness in the pursuit of holiness.

In solidarity with all of you, I am praying earnestly that, by God’s grace, the wounds afflicting so many individuals and families may be healed and that the Church in Ireland may experience a season of rebirth and spiritual renewal.

14. I now wish to propose to you some concrete initiatives to address the situation.

At the conclusion of my meeting with the Irish bishops, I asked that Lent this year be set aside as a time to pray for an outpouring of God’s mercy and the Holy Spirit’s gifts of holiness and strength upon the Church in your country. I now invite all of you to devote your Friday penances, for a period of one year, between now and Easter 2011, to this intention.

I ask you to offer up your fasting, your prayer, your reading of Scripture and your works of mercy in order to obtain the grace of healing and renewal for the Church in Ireland. I encourage you to discover anew the sacrament of Reconciliation and to avail yourselves more frequently of the transforming power of its grace.

Particular attention should also be given to Eucharistic adoration, and in every diocese there should be churches or chapels specifically devoted to this purpose.

I ask parishes, seminaries, religious houses and monasteries to organize periods of Eucharistic adoration, so that all have an opportunity to take part.

Through intense prayer before the real presence of the Lord, you can make reparation for the sins of abuse that have done so much harm, at the same time imploring the grace of renewed strength and a deeper sense of mission on the part of all bishops, priests, religious and lay faithful.

I am confident that this programme will lead to a rebirth of the Church in Ireland in the fullness of God’s own truth, for it is the truth that sets us free (cf. Jn 8:32).

Furthermore, having consulted and prayed about the matter, I intend to hold an Apostolic Visitation of certain dioceses in Ireland, as well as seminaries and religious congregations.

Arrangements for the Visitation, which is intended to assist the local Church on her path of renewal, will be made in cooperation with the competent offices of the Roman Curia and the Irish Episcopal Conference.

The details will be announced in due course.

I also propose that a nationwide Mission be held for all bishops, priests and religious. It is my hope that, by drawing on the expertise of experienced preachers and retreat-givers from Ireland and from elsewhere, and by exploring anew the conciliar documents, the liturgical rites of ordination and profession, and recent pontifical teaching, you will come to a more profound appreciation of your respective vocations, so as to rediscover the roots of your faith in Jesus Christ and to drink deeply from the springs of living water that he offers you through his Church.

In this Year for Priests, I commend to you most particularly the figure of Saint John Mary Vianney, who had such a rich understanding of the mystery of the priesthood.

“The priest”, he wrote, “holds the key to the treasures of heaven: it is he who opens the door: he is the steward of the good Lord; the administrator of his goods.”

The Curé d’Ars understood well how greatly blessed a community is when served by a good and holy priest:

“A good shepherd, a pastor after God’s heart, is the greatest treasure which the good Lord can grant to a parish, and one of the most precious gifts of divine mercy.”

Through the intercession of Saint John Mary Vianney, may the priesthood in Ireland be revitalized, and may the whole Church in Ireland grow in appreciation for the great gift of the priestly ministry.

I take this opportunity to thank in anticipation all those who will be involved in the work of organizing the Apostolic Visitation and the Mission, as well as the many men and women throughout Ireland already working for the safety of children in church environments.

Since the time when the gravity and extent of the problem of child sexual abuse in Catholic institutions first began to be fully grasped, the Church has done an immense amount of work in many parts of the world in order to address and remedy it.

While no effort should be spared in improving and updating existing procedures, I am encouraged by the fact that the current safeguarding practices adopted by local Churches are being seen, in some parts of the world, as a model for other institutions to follow.

I wish to conclude this Letter with a special Prayer for the Church in Ireland, which I send to you with the care of a father for his children and with the affection of a fellow Christian, scandalized and hurt by what has occurred in our beloved Church.

As you make use of this prayer in your families, parishes and communities, may the Blessed Virgin Mary protect and guide each of you to a closer union with her Son, crucified and risen.

With great affection and unswerving confidence in God’s promises, I cordially impart to all of you my Apostolic Blessing as a pledge of strength and peace in the Lord.

From the Vatican, 19 March 2010, on the Solemnity of Saint Joseph

BENEDICTUS PP. XVI


Prayer for the Church in Ireland



God of our fathers,
renew us in the faith which is our life and salvation,
the hope which promises forgiveness and interior renewal,
the charity which purifies and opens our hearts
to love you, and in you, each of our brothers and sisters.
Lord Jesus Christ,
may the Church in Ireland renew her age-old commitment
to the education of our young people in the way of truth and goodness, holiness and generous service to society.
Holy Spirit, comforter, advocate and guide,
inspire a new springtime of holiness and apostolic zeal
for the Church in Ireland.
May our sorrow and our tears,
our sincere effort to redress past wrongs,
and our firm purpose of amendment
bear an abundant harvest of grace
for the deepening of the faith
in our families, parishes, schools and communities,
for the spiritual progress of Irish society,
and the growth of charity, justice, joy and peace
within the whole human family.
To you, Triune God,
confident in the loving protection of Mary,
Queen of Ireland, our Mother,
and of Saint Patrick, Saint Brigid and all the saints,
do we entrust ourselves, our children,
and the needs of the Church in Ireland.
Amen.



TRADUÇÃO
\/
1. Queridos irmãos e irmãs da Igreja na Irlanda, é com grande preocupação que eu escrevo para você como Pastor da Igreja universal. Tal como vós, eu tenho sido profundamente perturbados com a informação que veio à luz em relação ao abuso de crianças e vulneráveis jovens, membros da Igreja na Irlanda, em especial pelos sacerdotes e religiosos. Eu só posso compartilhar a tristeza eo sentimento de traição que muitos de vocês têm experimentado na aprendizagem destes atos pecaminosos e penal ea forma como as autoridades da Igreja na Irlanda tratadas com eles.


Como sabem, recentemente convidou os bispos irlandeses para uma reunião aqui em Roma para dar conta do seu tratamento destas questões no passado e definir as medidas que tenham tomado para responder a esta grave situação. Juntamente com altos funcionários da Cúria Romana, eu escutei o que eles tinham a dizer, tanto individualmente como em grupo, como eles ofereceram uma análise dos erros cometidos e as lições aprendidas, bem como uma descrição dos programas e protocolos actualmente em vigor. Nossas discussões foram francas e construtivas. Estou confiante de que, como resultado, os bispos serão agora em uma posição mais forte para levar adiante a obra de reparação de injustiças passadas e enfrentar as questões mais amplas associadas ao abuso de menores, de forma consoante com as exigências da justiça e os ensinamentos do Evangelho.

2. Pela minha parte, considerando a gravidade destes delitos, ea resposta muitas vezes inadequados para eles por parte das autoridades eclesiásticas em seu país, eu decidi escrever esta carta pastoral para exprimir a minha proximidade para você e para propor um caminho de cura , renovação e reparação.

É verdade, como muitos em seu país têm apontado, que o problema do abuso de criança é peculiar à Irlanda nem para a Igreja. No entanto, a tarefa que enfrentamos agora é resolver o problema do abuso que ocorreu dentro da comunidade católica irlandesa, e fazê-lo com coragem e determinação. Ninguém imagina que esta dolorosa situação será resolvida rapidamente. O progresso real tenha sido feita, mas ainda há muito a ser feito. Perseverança e oração são necessários, com grande confiança no poder de cura da graça de Deus.

Ao mesmo tempo, devo também manifestar a minha convicção de que, a fim de recuperar dessa ferida dolorosa, a Igreja na Irlanda deve primeiro reconhecer diante do Senhor, antes que outros os pecados graves cometidos contra crianças indefesas. Esse reconhecimento, acompanhado por sincero pesar pelos danos causados a essas vítimas e suas famílias, deve levar a um esforço concertado para assegurar a protecção das crianças contra crimes semelhantes no futuro.

Como você enfrentar os desafios desta hora, peço-lhe para se lembrar "a rocha de que fostes cortados" (Is 51:1). Refletir sobre o generoso, muitas vezes heróico, as contribuições feitas por gerações passadas de homens e mulheres irlandeses à Igreja e à humanidade como um todo, e deixar que este dê o impulso para o auto-exame honesto e comprometido de um programa de renovação eclesial e individual. It É minha oração que, assistida por intercessão de seus santos muitos e purificados através da penitência, a Igreja na Irlanda vai ultrapassar a crise actual e tornar-se mais uma vez um testemunho convincente da verdade e da bondade de Deus Todo-Poderoso, que se manifesta em seu Filho Jesus Cristo.

3. Historicamente, os católicos da Irlanda têm-se revelado uma enorme força para o bem em casa e no exterior. Monges celtas como São Columbano difundir o Evangelho na Europa Ocidental e lançou as bases da cultura monástica medieval. Os ideais de santidade, caridade e sabedoria transcendente nasce da fé cristã, encontrou expressão na construção de igrejas e mosteiros e da criação de escolas, bibliotecas e hospitais, todos os quais ajudaram a consolidar a identidade espiritual da Europa. Aqueles missionários irlandeses chamou a sua força e inspiração da fé firme, uma liderança forte e uma moral elevada da Igreja em sua terra natal.

A partir do século XVI, os católicos na Irlanda sofreu um longo período de perseguição, durante a qual eles lutaram para manter a chama da fé viva em condições difíceis e perigosas. São Oliver Plunkett, o Arcebispo de Armagh martirizados, é o exemplo mais famoso de uma série de filhos e filhas corajosa da Irlanda, que estavam dispostos a dar sua vida por fidelidade ao Evangelho. Após a Emancipação Católica, a Igreja estava livre para crescer mais uma vez. Famílias e indivíduos incontáveis que tinha preservado a fé em tempos de julgamento tornou-se o catalisador para o ressurgimento do catolicismo irlandês no século XIX. A Igreja, desde a educação, especialmente para os pobres, e isso foi para dar uma contribuição importante para a sociedade irlandesa. Entre os frutos de novas escolas católicas se um aumento das vocações: gerações de sacerdotes missionários, irmãs e irmãos deixaram a sua terra natal para servir em todos os continentes, especialmente no mundo de fala Inglês. Eles foram notáveis, não só para o seu grande número, mas pela força de sua fé ea firmeza do seu compromisso pastoral. Muitas dioceses, sobretudo na África, América e Austrália, beneficiou da presença do clero irlandês e religiosos, que pregou o Evangelho e das paróquias estabelecidas, escolas e universidades, clínicas e hospitais que serviram tanto católicos e à comunidade em geral, com especial atenção à necessidades dos pobres.

Em quase todas as famílias na Irlanda, houve alguém - um filho ou uma filha, uma tia ou um tio - que tem dado a sua vida à Igreja. Famílias irlandesas justamente estima e estimar os seus entes queridos que dedicaram suas vidas a Cristo, partilhando o dom da fé com os outros, e colocando que a fé em ação no serviço amoroso de Deus e do próximo.

4. Nas últimas décadas, porém, a Igreja no seu país teve de enfrentar novos desafios e graves para a fé decorrente da rápida transformação e da secularização da sociedade irlandesa. Rápidas mudanças sociais têm ocorrido, muitas vezes, afectar negativamente a adesão das pessoas à doutrina católica tradicional e de valores. Com demasiada frequência, a prática sacramental e devocional que sustentam a fé e habilitá-lo a crescer, como a confissão freqüente, a oração diária e retiros anuais, foram negligenciadas. Significativa também foi a tendência durante este período, também por parte de sacerdotes e religiosos, a adotar formas de pensar e avaliar as realidades seculares sem referência suficiente para o Evangelho. O programa de renovação proposto pelo Concílio Vaticano II foi por vezes mal interpretada e, na verdade, à luz das profundas mudanças sociais que estavam acontecendo, ele estava longe de ser fácil de saber a melhor forma de implementá-lo. Em especial, houve uma bem - intencionada, mas equivocada tendência para evitar abordagens penal para situações canonicamente irregulares. É neste contexto global que temos de tentar compreender o problema preocupante de abuso sexual infantil, o que contribuiu em grande medida para o enfraquecimento da fé e da falta de respeito para a Igreja e seus ensinamentos.

Somente examinando cuidadosamente os muitos elementos que deram origem à crise atual pode um diagnóstico lúcida das suas causas a empreender e eficazes remédios ser encontrado. Certamente, entre os fatores que podem incluir: procedimentos inadequados para determinar a aptidão dos candidatos para o sacerdócio ea vida religiosa; formação humana, moral, espiritual e intelectual insuficiente nos seminários e noviciados; uma tendência na sociedade a favor do clero e outros figuras de autoridade, e uma preocupação deslocada para a reputação da Igreja ea necessidade de evitar escândalo, resultando em falha a aplicar as sanções canônicas e para salvaguardar a dignidade de cada pessoa. São necessárias medidas urgentes para resolver estes factores, que têm tido consequências tão trágicas na vida das vítimas e suas famílias, e têm obscurecido a luz do Evangelho a um grau que nem mesmo a séculos de perseguição conseguiu fazer.

5. Em diversas ocasiões, desde a minha eleição à Sé de Pedro, eu me encontrei com vítimas de abuso sexual, como, aliás, estou pronto a fazer no futuro. Eu sentei com eles, ouvi as suas histórias, tenho reconhecido o seu sofrimento, e eu orei com eles e para eles. Mais cedo no meu pontificado, em minha preocupação de abordar este assunto, pediu aos bispos da Irlanda, "para estabelecer a verdade do que aconteceu no passado, a tomar todas as medidas necessárias para evitar que ele ocorra novamente, para assegurar que os princípios da justiça sejam plenamente respeitados e, acima de tudo, para trazer a cura para as vítimas e para todos aqueles afetados por esses crimes "(Discurso aos Bispos da Irlanda, 28 de outubro de 2006).

Com esta carta, gostaria de exortar todos vós, como povo de Deus na Irlanda, para refletir sobre as feridas no corpo de Cristo, os recursos necessários às vezes dolorosa para ligar e curá-los, ea necessidade de unidade, da caridade e de apoio mútuo em o longo processo de restauro e de renovação eclesial. Agora eu volto para você com palavras que vêm do meu coração, e eu gostaria de falar com cada um de vocês individualmente e para todos vocês como irmãos e irmãs no Senhor.

6. Para as vítimas de abuso e suas famílias

Você tem sofrido terrivelmente e eu estou realmente arrependido. Eu sei que nada pode desfazer o mal que você tem resistido. Sua confiança foi traída e sua dignidade foi violada. Muitos de vocês descobriram que, quando você foi corajoso o suficiente para falar do que aconteceu com você, ninguém quis ouvir. Aqueles de vocês que foram abusadas em instituições de acolhimento deve ter sentido que não havia como escapar de seus sofrimentos. É compreensível que você achar que é difícil perdoar ou se reconciliar com a Igreja. Em seu nome, eu expressar abertamente a vergonha e remorso que todos nós sentimos. Ao mesmo tempo, peço-lhe para não perder a esperança. É na comunhão da Igreja que encontramos na pessoa de Jesus Cristo, que era ele mesmo uma vítima da injustiça e do pecado. Como você, ele ainda carrega as feridas do seu próprio sofrimento injusto. Ele conhece as profundezas de sua dor e seu efeito duradouro sobre suas vidas e seus relacionamentos, incluindo sua relação com a Igreja. Sei que alguns de você achar que é difícil até mesmo para entrar na porta de uma igreja depois de tudo que ocorreu. No entanto, as feridas do próprio Cristo, transformados pelo seu sofrimento redentor, são o próprio meio pelo qual o poder do mal está quebrada, e estamos a renascer para a vida e esperança. Eu acredito profundamente no poder de cura de seu amor abnegado - mesmo nas situações mais escuras e sem esperança - para trazer a libertação ea promessa de um novo começo.

Falando com você como um pastor em causa, para o bem de todos filhos de Deus, eu humildemente peço que você considere o que eu disse. Rezo para que, inspirando-se mais perto de Cristo e participando na vida da sua Igreja - a Igreja purificada pela penitência e na caridade pastoral renovada - você virá a redescobrir o amor infinito de Cristo para cada um de vocês. Estou confiante que, desta forma você será capaz de encontrar a reconciliação, cura interior profunda e paz.

7. Aos sacerdotes e religiosos que abusaram de crianças

Você traiu a confiança que foi colocado em você por jovens inocentes e seus pais, e você deve responder antes de Deus Todo-Poderoso e antes devidamente constituídos tribunais. Você perdeu a estima do povo da Irlanda e trouxe vergonha e desonra a sua confrades. Aqueles de vocês que são sacerdotes violaram a santidade do sacramento da Ordem na qual Cristo se faz presente em nós e em nossas ações. Juntamente com o imenso dano feito às vítimas, a grande dano foi feito para a Igreja e para a percepção pública do sacerdócio ea vida religiosa.

Exorto-vos a examinar sua consciência, assumir a responsabilidade pelos pecados que cometeu, e, humildemente, manifestar a sua tristeza. Sincero arrependimento abre a porta para o perdão de Deus e da graça de alteração verdade. Ao oferecer orações e penitências para aqueles que têm prejudicado, deve procurar a expiar pessoalmente por suas ações. Sacrifício redentor de Cristo tem o poder de perdoar até mesmo o mais grave dos pecados, e para trazer o bem do mal, mesmo a mais terrível. Ao mesmo tempo, o apelo de Deus a justiça nos dar conta de nossas ações e de esconder nada. Reconhecer abertamente a sua culpa, submissas às exigências da justiça, mas não se desespere da misericórdia de Deus.

8. Para os pais

Você tem sido profundamente chocado ao saber das coisas terríveis que teve lugar no que deve ser o ambiente mais seguro e mais seguro de todos. No mundo de hoje não é fácil construir uma casa e educar os filhos. Eles merecem a crescer em segurança, amado e querido, com um forte sentido de sua identidade e valor. Eles têm o direito de ser educadas nos autênticos valores morais enraizados na dignidade da pessoa humana, a ser inspirado pela verdade de nossa fé católica e para aprender maneiras de se comportar e agir que levam à auto-estima saudável e felicidade duradoura. Esta nobre tarefa exigente, mas é confiada em primeiro lugar a você, aos seus pais. Exorto-vos a desempenhar o seu papel para garantir a melhor assistência possível de crianças, tanto em casa e na sociedade como um todo, enquanto a Igreja, por sua vez, continua a aplicar as medidas adoptadas nos últimos anos para proteger os jovens na freguesia e ambientes escolares. Como você realizar suas responsabilidades vital, ter a certeza que fico perto de você e eu ofereço-lhe o apoio de minhas orações.

9. Para as crianças e os jovens da Irlanda

Eu gostaria de oferecer-lhe uma palavra especial de encorajamento. Sua experiência da Igreja é muito diferente da de seus pais e avós. O mundo mudou muito desde que eles tinham a sua idade. No entanto, todas as pessoas, em cada geração, são chamados a percorrer o mesmo caminho ao longo da vida, seja qual for a sua situação pode ser. Estamos todos escandalizados com os pecados e as falhas de alguns dos membros da Igreja, particularmente aqueles que foram escolhidos especialmente para orientar e atender os jovens. Mas é na Igreja que você vai encontrar Jesus Cristo, que é o mesmo ontem, hoje e sempre (cf. Hb 13:8). Ele te ama e ele se ofereceu na cruz por você. Procurar uma relação pessoal com ele dentro da comunhão da sua Igreja, pois ele nunca vai trair a sua confiança! Só Ele pode satisfazer os seus desejos mais profundos e dar a sua vida o seu pleno significado, remetendo-os ao serviço dos outros. Mantenha os olhos fixos em Jesus e da sua bondade e abrigo a chama da fé em seu coração. Juntamente com seus companheiros católicos na Irlanda, eu olho para você ser fiéis discípulos de nosso Senhor e trazer o seu entusiasmo e idealismo necessário para a reconstrução e renovação da nossa amada Igreja.

10. Para os sacerdotes e religiosos da Irlanda

Todos nós estamos sofrendo as conseqüências dos pecados de nossos confrades que traiu um dever sagrado ou não para lidar de forma justa e responsável com as alegações de abuso. Perante a indignação e indignação que isso provocou, não só entre os fiéis leigos, mas entre vós e vossas comunidades religiosas, muitos de vocês sentem pessoalmente desencorajados, mesmo abandonada. Também estou ciente de que, aos olhos de algumas pessoas que são influenciadas pela associação, e visto como se estivesse de alguma forma responsável pelos erros dos outros. Nesse momento doloroso, quero reconhecer a dedicação de suas vidas sacerdotais e religiosas e pastorais, e eu convido você para reafirmar sua fé em Cristo, seu amor da sua Igreja e sua confiança na promessa do Evangelho de redenção, perdão e renovação interior . Desta forma, você vai demonstrar para que todos vejam que onde abunda o pecado, a graça abunda ainda mais (cf. Rm 5:20).

Sei que muitos de vocês estão decepcionados, perplexos e indignados com a forma como estas questões têm sido tratadas por alguns dos seus superiores hierárquicos. No entanto, é essencial que você cooperar estreitamente com os detentores da autoridade e ajudar a garantir que as medidas adoptadas para responder à crise será verdadeiramente evangélica, justa e eficaz. Acima de tudo, peço-lhe para se tornar cada vez mais claramente os homens e mulheres de oração, corajosamente, seguindo o caminho da conversão, purificação e reconciliação. Desta forma, a Igreja na Irlanda vai desenhar uma nova vida e vitalidade de seu testemunho do poder redentor do Senhor se visível em suas vidas.

11. Para meus irmãos bispos

Não se pode negar que alguns de vocês e os seus antecessores falharam, às vezes dolorosamente, para aplicar as normas de longa data de direito canónico para o crime de abuso infantil. Erros graves foram feitas em resposta às alegações. Eu reconheço o quanto era difícil de compreender a extensão ea complexidade do problema, para obter informações confiáveis e para tomar as decisões corretas à luz dos pareceres dos peritos em conflito. No entanto, deve-se admitir que os erros graves de julgamento foram feitos e as falhas de liderança ocorreu. Tudo isso minou seriamente a sua credibilidade e eficácia. Eu aprecio os esforços que fez para corrigir os erros do passado e garantir que eles não voltem a ocorrer. Além da plena implementação das normas do direito canónico na resolução dos casos de abuso infantil, continuar a cooperar com as autoridades civis na sua área de competência. Claramente, os superiores religiosos deveriam fazer o mesmo. Eles também tomaram parte nas discussões recentes aqui em Roma, com vista ao estabelecimento de uma abordagem clara e consistente a estas questões. É imperativo que as normas de segurança para crianças da Igreja na Irlanda ser constantemente revisados e atualizados e que sejam plenamente aplicadas e imparcial, em conformidade com o direito canónico.

Apenas uma acção decisiva realizada com absoluta honestidade e transparência vai restabelecer o respeito ea boa vontade do povo irlandês para a Igreja a que temos consagrado nossas vidas. Isso deve ocorrer, em primeiro lugar, a partir de sua própria auto-exame, a purificação interior e renovação espiritual. O povo irlandês justamente esperar você para ser homens de Deus, para sermos santos, viver simplesmente, a prosseguir a conversão pessoal diária. Para eles, nas palavras de Santo Agostinho, você é um bispo, mas com eles você é chamado para ser um seguidor de Cristo (cf. Sermão 340, 1). Por isso, vos exorto a renovar o seu sentido de responsabilidade diante de Deus, a crescer em solidariedade com seu povo e para aprofundar a sua solicitude pastoral para todos os membros de seu rebanho. Em particular, peço-lhe que estar atento para a vida espiritual e moral de cada um de seus sacerdotes. Defini-las uma por exemplo, sua própria vida, estar perto deles, ouvir as suas preocupações, oferecer-lhes incentivo neste momento difícil e mexa até a chama de seu amor por Cristo e seu compromisso ao serviço dos seus irmãos e irmãs.

Os fiéis leigos, também, devem ser encorajados a desempenhar o seu papel próprio na vida da Igreja. Veja que eles são formados de tal maneira que eles podem oferecer uma conta de articular e convincente do Evangelho no meio da sociedade moderna (cf. 1 Pd 3:15) e cooperar mais plenamente na vida da Igreja e da missão. Este, por sua vez, irá ajudá-lo a voltar a ser líderes credíveis e testemunhas da verdade redentora de Cristo.

12. Para todos os fiéis da Irlanda

Experiência de um jovem da Igreja deve ser sempre fruto de uma vida pessoal e dando-encontro com Jesus Cristo dentro de uma comunidade, amando nutritivo. Neste ambiente, os jovens devem ser encorajados a crescer à sua plena estatura humana e espiritual, para aspirar a altos ideais de santidade, da caridade e da verdade, e para inspirar as riquezas de uma grande tradição religiosa e cultural. Em nossa sociedade cada vez mais secularizado, onde até mesmo nós, cristãos, muitas vezes é difícil falar da dimensão transcendente da nossa existência, temos de encontrar novas maneiras de transmitir aos jovens a beleza ea riqueza da amizade com Jesus Cristo na comunhão da sua Igreja. No enfrentamento da atual crise, as medidas para lidar justamente com os crimes individuais são essenciais, mas sozinhos não são suficientes: uma nova visão é necessária, para inspirar gerações presentes e futuras para o tesouro do dom da nossa fé comum. Trilhando o caminho traçado pelo Evangelho, observando os mandamentos e conformando suas vidas nunca mais estreitamente com a figura de Jesus Cristo, você certamente irá experimentar a profunda renovação que é tão urgente no momento. Convido-vos a todos a perseverar nesse caminho.

13. Queridos irmãos e irmãs em Cristo, é de profunda preocupação para todos vocês neste momento doloroso em que a fragilidade da condição humana tem sido tão duramente revelou que eu quis oferecer estas palavras de encorajamento e apoio. I Desejamos que você vai recebê-los como um sinal da minha proximidade espiritual e minha confiança na sua capacidade de responder aos desafios do momento presente inspirando renovação e força de nobres tradições da Irlanda, da fidelidade ao Evangelho, a perseverança na fé e perseverança no exercício da solidariedade holiness.In com todos vocês, estou orando fervorosamente para que, pela graça de Deus, as feridas que afligem tantas pessoas e famílias podem ser curadas e que a Igreja na Irlanda pode enfrentar uma época de renascimento e renovação espiritual.

14. Gostaria agora de vos propor algumas iniciativas concretas para resolver a situação.

Na conclusão do encontro com os bispos irlandeses, pedi que a Quaresma deste ano, ser afastadas por um tempo para orar por uma manifestação da misericórdia de Deus e os dons do Espírito Santo de santidade e de resistência sobre a Igreja no seu país. Eu agora convido todos vocês a dedicar penitências sua sexta-feira, por um período de um ano, entre agora e na Páscoa de 2011, a essa intenção. Peço-lhe para oferecer o seu jejum, a oração, a leitura da Escritura e suas obras de misericórdia, a fim de obter a graça da cura e da renovação para a Igreja na Irlanda. Encorajo-vos a redescobrir o sacramento da Reconciliação e para vós recorrer com mais freqüência do poder transformador da sua graça.

Particular atenção deve ser dada à adoração eucarística, e em cada diocese deve haver igrejas e capelas dedicados especificamente para este fim. Peço paróquias, seminários, casas religiosas e mosteiros a organizar períodos de adoração eucarística, para que todos tenham oportunidade de participar. Através de intensa oração diante da presença real do Senhor, você pode reparar os pecados do abuso que fizeram tanto mal, ao mesmo tempo implorar a graça da força renovada e um profundo senso de missão por parte de todos os bispos, fiéis sacerdotes, religiosos e leigos.

Estou confiante de que este programa vai levar a um renascimento da Igreja na Irlanda, na plenitude da verdade do próprio Deus, pois é a verdade que nos liberta (cf. Jo 8:32).

Além disso, após consulta e orei sobre o assunto, tenho a intenção de realizar uma Visita Apostólica de certas dioceses em Portugal, bem como seminários e congregações religiosas. Modalidades de Visitação, que se destina a ajudar a Igreja local em seu caminho de renovação, será feito em colaboração com os serviços competentes da Cúria Romana e da Conferência Episcopal Irlandesa. Os pormenores serão anunciados oportunamente.

Proponho também que uma missão de âmbito nacional será realizada para todos os bispos, sacerdotes e religiosos. A minha esperança é que, aproveitando a experiência de pregadores experientes e retiro-doadores da Irlanda e de outros lugares, e explorando de novo os documentos conciliares, os ritos litúrgicos da coordenação e da profissão e do ensino pontifício recente, você chegará a uma apreciação mais profunda de sua respectivas vocações, de forma a redescobrir The Roots de sua fé em Jesus Cristo e beber profundamente das fontes de água viva que ele lhe oferece através de sua Igreja.

Neste ano para Sacerdotes, eu recomendo a você mais particularmente a figura de São João Maria Vianney, que tinha um entendimento tão rico do mistério do sacerdócio. "O padre", escreveu ele, "detém a chave para os tesouros do céu: é ele quem abre a porta: ele é o mordomo do bom Deus, o administrador dos seus bens." A Cura d'Ars compreendeu bem como grandemente abençoados uma comunidade quando é servido por um bom sacerdote e santo: "Um bom pastor, um pastor segundo o coração de Deus, é o maior tesouro que o bom Senhor pode conceder a uma paróquia, e um dos mais preciosos dons da misericórdia divina. "Pela intercessão de São João Maria Vianney, que o sacerdócio na Irlanda ser revitalizada, e pode toda a Igreja na Irlanda crescer em apreço pelo grande dom do ministério sacerdotal.

Aproveito esta oportunidade para agradecer antecipadamente a todos aqueles que estarão envolvidos nos trabalhos de organização da Visita Apostólica e à missão, bem como a muitos homens e mulheres em toda a Irlanda já está trabalhando para a segurança das crianças em ambientes igreja. Desde o momento em que a gravidade ea extensão do problema do abuso sexual infantil em instituições católicas começaram a ser totalmente compreendido, a Igreja tem feito uma quantidade imensa de trabalho em muitas partes do mundo a fim de abordar e resolver isso. Embora não devem ser poupados esforços para melhorar e actualizar os procedimentos existentes, sinto-me encorajado pelo facto de as actuais práticas salvaguarda adoptadas por Igrejas locais estão sendo vistos, em algumas partes do mundo, como um modelo para outras instituições a seguir.

Gostaria de terminar esta carta com uma oração especial para a Igreja na Irlanda, que eu envio para você com o cuidado de um pai para seus filhos e com o carinho de um companheiro cristão, escandalizou e magoado com o que ocorreu em nossa amada Igreja . Como você faz uso dessa oração em suas famílias, paróquias e comunidades, que a Virgem proteja e guie cada um de vocês para uma união mais estreita com seu Filho, crucificado e ressuscitado. Com muito carinho e confiança inabalável nas promessas de Deus, de coração concedo a todos vós a minha Bênção Apostólica como penhor de força e paz no Senhor.

Vaticano, 19 de março de 2010, na Solenidade de São José

BENEDICTUS PP. XVI





Oração pela Igreja na Irlanda

Deus de nossos pais,

renovar-nos na fé, que é a nossa vida e salvação,

a esperança de que as promessas de perdão e renovação interior,

a caridade que purifica e abre nossos corações

amar você e em você, cada um de nossos irmãos e irmãs.

Senhor Jesus Cristo,

pode a Igreja na Irlanda renovar o seu compromisso de idade de idade

para a educação dos nossos jovens no caminho da verdade e da bondade, santidade e generoso serviço à sociedade.

Espírito Santo, consolador, defensor e guia,

inspirar uma nova primavera de santidade e de zelo apostólico

para a Igreja na Irlanda.

Que o nosso sofrimento e nossas lágrimas,

nosso esforço sincero para corrigir os erros do passado,

e nosso firme propósito de emenda

suportar uma colheita abundante de graça

para o aprofundamento da fé

em nossas famílias, paróquias, escolas e comunidades,

para o progresso espiritual da sociedade irlandesa,

eo crescimento da caridade, justiça, alegria e paz

dentro de toda a família humana.

Para você, Deus Trino,

confiantes na protecção amorosa de Maria,

Rainha da Irlanda, nossa Mãe,

e de São Patrício, Santa Brígida e todos os santos,

não confiamos nós mesmos, nossos filhos,

e as necessidades da Igreja na Irlanda.

Amen.

F.F. http:// www. vatican. va/holy _father / benedict_ xvi/letters /2010/ documents/hf_ben-xvi_let_20100319_church-ireland_en.html