1 de fev de 2010

AUTOR D ' ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS '....

... um possível pedófilo.



Em seu livro, “Pedofilia -A inocência ferida e traída”, Milton Rui Fortunato aborda a verdade sobre a obra literária de Lewis Carrol em Alice no País das Maravilhas. 

Segundo Fortunato, Carrol seria um dos mais conhecidos pedófilos da história: Lewis Carrol, na verdade pseudônimo de escritor e matemático inglês Charles Dodgson (1832 – 1898). Conceituado no mundo das letras, encantou milhões de crianças em todo o mundo, ao escrever o também tão famoso livro “Alice no País da Maravilhas”, onde a personagem principal era inspirada em Alice Liddell, uma criança de apenas quatro anos de idade e filha de um grande amigo dele. 

Verdadeira paixão obsessiva do escritor.

Poucos observaram que com o sucesso do livro, ele fazia metáforas entre a relação da linguagem e a realidade. 

Somente depois de conhecerem a sua doentia paixão pela menina é que muitos condenaram sua obra, mas na realidade nada tinha de anormal em termos de literatura e nenhum conteúdo pedófilo. 

Pelo menos para o público leitor.

Carrol incomodava a sociedade e a lei da época, pois era visível a sua compulsão por meninas. 

Vivia em parques fotografando-as. 

Sua paixão por Alice era tão acintosa, que a cortejava abertamente, fazendo com que a família da criança fosse viver em outra cidade. 

Porém, não se sabe se essa compulsão de Carrol ficou somente na passividade.

Em alguns outros blog's;  trata o assunto como uma eterna dúvida, pois há algo de muito misterioso e talvez perverso na história real deste escritor. 

Afinal, que estranha relação era aquela entre um homem 20 anos mais velho e Alice Liddell, apenas uma garotinha, que virou musa inspiradora do livro, ”melhor amiga” e modelo de uma série de fotos que mais parecem obra de um incorrigível pedófilo? 

Será que alguma vez o Carroll, chegou a tocar de forma impudica no pequeno objeto de sua veneração? 

Carrol viveu sempre à espreita das menininhas que encontrava em viagens de trem, nas praias ou em casas de amigos. 

Diverti-las era seu principal hobby. 

”Gosto de crianças (exceto meninos)”, escreveu certa vez, mas nenhuma despertou tamanha adoração quanto Alice Liddell.

Carrol escrevia cartas com ”10 milhões de beijos” e costumava pedir cachos de cabelos de presente para beijar o que leva a crer que não era movido por um amor puramente espiritual.
 
A sra. Liddell, mãe de Alice, percebeu algo de insólito nas atitudes dele, tomou medidas para desencorajar-lhe as atenções e finalmente queimou todas as primeiras cartas para Alice.

Ao fim de um artigo escrito recentemente para o jornal The Guardian a respeito de Carroll, Katie Roiphe conclui: 

”Ele tinha pensamentos, impuros, sim. 

O que importa, no fim, é o que ele fez deles”. Apesar das fotografias com forte apelo erótico e das cartas melosas que escreveu para meninas como Alice (publicadas no Brasil com o título Cartas às suas amiguinhas), o veredicto final sobre o que Carroll teria feito de seu desejo ainda é um mistério. 

Uma coisa é certa: em meio a toda essa paranóia sobre a pedofilia, especialmente na internet, se toda essa história acontecesse hoje, é provável que um dos autores mais célebres da literatura infantil estivesse em desgraça ou mesmo preso. 

A malícia dos olhos do século 21 talvez não apenas tenha desfeito o fascínio pelas aventuras de uma menina perdida no país do absurdo como também tenha rompido definitivamente o véu que separa a fantasia da perversidade. 

Um caminho sem volta.

Nenhum comentário: