7 de dez de 2011

VÍTIMAS DE ABUSO TEM RELAÇÃO SEXUAL MAIS CEDO



Talvez por estresse emocional, crianças vítimas de abuso sexual frequentemente começam ter relações sexuais mais cedo do que os jovens que não tiveram essa má experiência.


Um novo estudo mostra que outros tipos de abuso, tais como negligência e abuso físico e emocional, também aumentam o risco da iniciação sexual precoce.


“Todos os tipos de abuso (físico e emocional, negligência e sexual) por volta dos 12 anos, aumentam o risco de estresse emocional e uma iniciação sexual entre 14 e 16 anos”, afirma a Dra. Maureen M. Black, da Universidade de Maryland, em Baltimore. 


“As relações sexuais na adolescência aumentam o risco de utilização abusiva de métodos contraceptivos e com múltiplos parceiros, duas condutas que expõe os jovens à infecções sexualmente transmissíveis e gravidez”, acrescentou.


A equipe de Black investigou a relação entre vários tipos de abuso e a atividade sexual em 637 adolescentes de 14 anos e em 493, de 16 anos.


A força do estudo, disse Black, foi que “acompanhamos as crianças que sofreram abuso (ou não) até a adolescência, e não exigindo (a elas ou aos adultos) para lembrarem as suas histórias de abuso ou de iniciação sexual


.”O monitoramento começou quando as crianças tinham 4 anos no chamado Estudos Longitudinais de Abuso de Criança e Negligência (LONGSCAN).


Este grupo de crianças apresentou uma elevada taxa de abuso: 79% dos entrevistados com 14 anos e 81% com 16 anos sofreram maus-tratos antes dos 12. 


Eles haviam sofrido abuso sexual, negligência física ou psicológica. Aos 14, 21% das crianças eram sexualmente ativas, enquanto que os de 16 anos, 51% – publicou a revista Pediatrics.


Os adolescentes que haviam sofrido algum tipo de mau-trato, não apenas abuso sexual, eram muito mais propensos a ter relações sexuais aos 14 e 16 anos, que os adolescentes que não tinham sofrido abusos. 


Por exemplo, adolescentes com uma história de violência psicológica estavam duas vezes mais propensos a ter atividade sexual do que os que nunca tiveram esse tipo de violência. 


Maus-tratos físicos e negligência foram associados ao aumento relativamente semelhante a este risco.




Os jovens maltratados tiveram, também, significativamente mais estresse emocional do que os não maltratados e o estresse emocional explica a relação entre o abuso e o início da atividade sexual aos 14 anos, disse Black. 


Aos 16 anos, fatores distintos ao estresse emocional explicaram a relação entre o maltrato e a atividade sexual.




“As crianças vítimas de abuso estão em risco de iniciar a atividade sexual precoce e devem ser o foco das intervenções visando melhorar as experiências traumáticas comportamentais e psicológicas da saúde”, concluiu Negro.


“As avaliações de adolescentes sexualmente ativos não devem ser limitadas aos riscos da gravidez e da infecção, mas deve incluir uma avaliação destinada a detectar a eventual existência de um abuso”, acrescentou.


FONTE
\/
BRASIL CONTRA A PEDOFILIA

Nenhum comentário: